Sunday, September 30, 2007

Linha do Dão


Quando era miúdo queria ser uma bola de matraquilhos...O percurso que a bola fazia da baliza até cair novamente, depois de se pôr nova moeda, fascinava-me. Senti o mesmo quando descobri, sem querer, uma antiga linha de comboio conhecida por Linha do Dão. Esta linha, inaugurada a 25 de Novembro de 1890, fazia a ligação de Santa Comba Dão a Viseu. Ainda percorri sites a tentar descobrir a data de encerramento da linha mas, mesmo depois de consultar o site da CP, nada consegui saber. Conversei apenas com alguns populares que me deram uma ideia de quando deixou de ali passar o comboio...

Quando vinha de Viseu, sábado de manhã depois de lá ter ido em passeio, fiquei com a ideia de ter visto uma antiga estação próxima do IP3. Na saída seguinte, não resisti, e fui à procura dela, tendo ficado estupefacto quando se confirmou a minha suspeita. Era mesmo uma estação - Parada de Gonta. Ali estavam as antigas casas de banho, as bilheteiras, as oficinas, o trilho por onde passavam os carris e, ao fim da estação, um resto deles que se perdem por baixo de um alcatrão que se sobrepôs à história destes caminhos de ferro, só visíveis para os mais atentos que lá passem. (Agora já não, já que foi toda restaurada e é conhecida como a EcoPista do Dão, excelente passeio, fica a sugestão)
Não vi qualquer proibição, e mesmo que visse, não deixaria de fazer o que fiz. Acabei por pôr o carro no trilho e segui o caminho abandonado, já sem carris, por entre os pinhais, densa vegetação, e assim fui descobrindo velhas estações e apeadeiros fantasma. Triste por não ter levado a máquina fotográfica para documentar esta verdadeira aventura, repeti o trajecto no domingo, e aí sim tirei algumas fotografias.
O Km 4,476 foi a maior surpresa - A ponte - a ligação entre Treixedo e Santa Comba Dão, foi algo que não esperava encontrar numa parte do trajecto em que mal conseguia ver o que me esperava no metro seguinte. Não contava encontrar a ponte, apenas parte dela, ou o espaço onde esta deveria estar... Não pude deixar de a sentir com as minhas próprias mãos. Aproveitei para pisar esta estrutura metálica que ali está há mais de 100 anos.

O que ficou por dizer: A linha do Dão fechou em 25 de Setembro de 1988, com a habitual desculpa de falta de rentabilidade. A automotora, por esta linha ser de via estreita, não atingia grandes velocidades e as carruagens não eram nada confortáveis e eram poucas, de tal forma que muitos dos serviços eram já suportados por autocarros. Ao que parece foram também estas as razões que levaram ao encerramento da Linha do Vouga. A CP, durante vários anos, ainda teve o cuidado de manter a linha em condições, salvaguardando inclusivamente as respectivas inspecções.